Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 17 de abril de 2010

O QUASE

O Quase - Fernando Veríssimo

Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.
Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, ás vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto.
A resposta eu sei de cór, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz. A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.
O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém, preferir a derrota prévia é dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo.
De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.
Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.
Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.
Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando,
fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo,
QUEM QUASE VIVE, JAH MORREU!

terça-feira, 23 de março de 2010

domingo, 14 de março de 2010

Resposta de um fisioterapeuta ao ATO MÉDICO !!!



“Caros senhores favoráveis ao Ato Médico,

Se o grande problema é “prescrever”, por favor, preciso que me prescrevam um
tratamento fisioterapêutico para um paciente de 45 anos com uma tendinopatia
crônica do tendão do músculo supra-espinhoso, apresentando calcificação no
tendão. Ele apresenta história ocupacional de trabalho com elevação dos
membros superiores acima do nível da cabeça (é vendedor de loja de roupas).
Como é ex-jogador de voleibol, desenvolveu lesão do nervo supra-escapular,
que culminou numa atrofia do músculo infra-espinhoso. Devido a distúrbios
hormonais, desenvolveu osteoporose. Na avaliação, apresentou restrição da
mobilidade da cápsula posterior do ombro, fraqueza dos músculos rotadores
internos do úmero (grau 3), além de fraqueza de serrátil anterior e trapézio
fibras inferiores (graus 4 para os dois músculos). A articulação
esterno-clavicular também tem sua mobilidade diminuída.
O que devo fazer, Dr.? Como posso fazer para restaurar a mobilidade da
articulação? O que é mais indicado: mobilização articular ou alongamento? No
caso de ser mobilização, que grau devo utilizar? No caso de ser alongamento,
é preferível o alongamento ser estático ou balístico? Ou seria melhor
utilizar de contração-relaxamento? Qual o tempo adequado de manutenção do
alongamento? Ou será que é tudo contra-inidcado, devido à osteoporose?
Com relação ao fortalecimento dos rotadores internos do úmero, qual
exercício seria mais indicado para fortalecer o músculo sub-escapular,
importante na estabilização dinâmica da articulação gleno-umeral? Devo usar
thera-band, halteres, resistência manual ou simplesmente realizar exercícios
ativos livres?
Com relação ao serrátil anterior qual exercício seria mais indicado?
Push-ups? Protração resistida? Exercícios ativos apenas, simulando
atividades funcionais e procurando evitar movimentos escapulares anormais?
Tudo isso? Nada disso? E se ele utilizar de compensações para a realização
dos exercícios, como devo proceder?
Com relação ao trapézio inferior, é melhor fazer o exercício contra ou a
favor da gravidade? Devo ou não utilizar de movimentos ativo-assistidos?
Qual o melhor exercício? Existe tal exercício?
No caso da restrição da articulação esterno-clavicular, é necessário
corrigir essa alteração de mobilidade? Se for, é possível corrigí-la? Como
proceder. Tem contra-indicações ou precauções?
Não podemos esquecer de tratar também o tecido lesado (tendão do
supra-espinhoso). Ele apresenta dor moderada ao elevar o membro superior D
acima de 90 graus, que diminui a praticamente zero ao abaixar o braço. É
necessára analgesia? Se for, que forma TENS? Qual a modulação (frequência,
comprimento de onda, duração e intensidade)? Ou será que crioterapia é
melhor? Em qual forma de aplicação? Por quanto tempo? Ou será que nenhuma
analgesia é necessária?
O que posso fazer para estimular o reparo do tendão? US (quantos MHz?
Quantos W/cm2? por quanto tempo? Onde aplicar?), Laser (qual a intensidade?
duração? tem contra-indicações?), exercícios (excêntricos, concêntricos,
isométricos, resisitidos, livres? quantas séries e repetições? Qual o
intervalo entre séries? Quantos RM? Devo fazer todos os dias ou não? É
contra-indicado exercício?). Como posso fazer um exercício para
supra-espinhoso?

Por favor, repassem essa mensagem com urgência para todos os médicos com
competência para me ajudar, pois estou com o paciente afastado do trabalho
por invalidez e continuo aguardando a “prescrição médica da fisioterapia”,
já que sem a “prescrição médica”, segundo o ato médico, não posso fazer nada
e nós todos os brasileiros, inclusive os médicos estamos pagando para ele
não trabalhar. Não deixemos esse afastametno virar aposentadoria!

Concluindo: Sim ao ato médico, desde que os médicos estudem na faculdade
todo o conteúdo que outras 13 profissões da área de saúde têm em seu
currículo.

domingo, 31 de janeiro de 2010

As três peneiras de Sócrates ...

Um rapaz procurou Sócrates e disse que precisava contar-lhe algo.

Sócrates ergueu os olhos do livro que lia e perguntou:

- O que você vai me contar já passou pelas três peneiras?

- Três peneiras?

- Sim. A primeira peneira é a VERDADE. O que você quer contar dos outros é um fato? Caso tenha ouvido contar, a coisa deve morrer aí mesmo. Suponhamos então que seja verdade.

Deve então passar pela segunda peneira: a BONDADE. O que você vai contar é coisa boa? Ajuda a construir ou destruir o caminho, a fama do próximo?

Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa, deverá passar pela terceira peneira: a NECESSIDADE. Convém contar? Resolve alguma coisa? Ajuda a comunidade? Pode melhorar o planeta e, arremata Sócrates:

-Se passar pelas três peneiras, conte! Tanto eu, você e seu irmão nos beneficiaremos. Caso contrário, esqueça e enterre tudo. Será uma fofoca a menos para envenenar o ambiente e levar discórdia entre irmãos, colegas do planeta.

Devemos ser sempre a estação terminal de qualquer comentário infeliz.