Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 18 de dezembro de 2011

Faltando um pedaço...

Não há uma maneira fácil de lidar com a perda de um animal de estimação, nem você deveria tentar passar por cima do processo natural da tristeza. Lembre-se sempre, você não está sozinho. Todas as pessoas que alguma vez foram tocadas pela devoção amorosa de um bichinho de estimação também conheceram a dor da perda.

Tempos de turbulência emocional. Depois da perda de um animal de estimação, você pode esperar passar por aquela deriva emocional conhecida como luto. Por algum tempo - às vezes um período de dias, às vezes semanas ou meses - você poderá ter sentimentos de descrença, tristeza, raiva, culpa, embaraço ou depressão. Podemos banir o embaraço sem maiores delongas, já que não existe um motivo razoável para você se sentir envergonhado por estar de luto por seu animalzinho perdido. O luto é admirável e é humano, não antinatural ou embaraçoso.
Aconselhamento. A mistura de sentimentos pode se manter por algumas semanas mas, para muitas pessoas, sentimentos residuais permanecem e prolongam o luto por um período bem maior - às vezes por anos depois da perda do bichinho. Isto não deveria ser uma surpresa muito grande; o amor de um animal é um dos mais puros, mais verdadeiramente incondicionais e sustentadores que podemos conhecer. Lembrando-se de que a maioria das pessoas já sentiu a dor de perder um bichinho de estimação, não tenha medo de buscar apoio para seu período de luto, seja depois de um par de semanas muito difíceis ou um ano de sofrimento. Você verá que este apoio vem em diversas formas, do apoio casual de amigos e família ao suporte formal e aconselhamento de atendimentos telefônicos para este tipo de situação, ou grupos online para pessoas que perderam seu bichinho de estimação. Uma busca online revelará os diversos grupos que você pode explorar e talvez participar. Seu veterinário ou alguma sociedade humanitária pode recomendar grupos locais, conselheiros e linhas telefônicas a contatar, para receber suporte enquanto você lida com a perda de seu bichinho de estimação.
Memorial. É um infeliz engano pensar que memoriais para bichinhos de estimação sejam só para crianças; pelos mesmos motivos pelos quais guardamos a memória de nossos parentes quando eles falecem, um memorial para seu bichinho de estimação é um passo importante no processo de luto. Quer você enterre seu bichinho ou guarde suas cinzas em uma urna, reservar tempo para memorizar seu amado bichinho com a família ou amigos ajudará você a enfrentar a perda.
Mantenha um diário. Muitas pessoas não se sentem à vontade comunicando verbalmente suas emoções ou demonstrando-as para outros de qualquer forma. Mantenha um diário onde você possa explorar e chegar a termos com seus sentimentos de luto, através da palavra escrita.
Tente ver além do momento da morte. Muitos donos de bichinhos, especialmente logo no início do processo do luto, têm dificuldades em lembrar-se do seu bichinho sem revisitar constantemente o momento da sua morte. Embora você não deva negar a morte, também deveria fazer um esforço para lembrar-se dos bons momentos também - aqueles que fizeram você sorrir, os momentos bobos e os de bagunça, também. Lembre-se da alegria que você e seu bichinho sentiam na presença um do outro.
Ajudando as crianças. Para as crianças, a perda de um bichinho de estimação é muitas vezes o que lhes traz o primeiro sentimento de perda permanente. Todos nós sabemos que a experiência não atenua a dor da perda, e também é verdade que as crianças terão alguns dos mesmos sentimentos dos adultos. Mas a perda é sentida diferentemente por crianças menores; é muito provável que elas se sintam confusas ou com raiva (dos pais, do veterinário ou de si mesmas). É melhor, no entanto, não apoiar-se em uma mentira bem-intencionada como "Margarida fugiu de casa" ou "Tigre foi embora para viver em uma fazenda". Estas explicações podem magoar e confundir ainda mais seu filho, enquanto a criança tenta descobrir se o bichinho optou por abandoná-la ou foi forçado a ir embora. Por fim, seu filho pode encher-se de uma esperança não-realista, insistindo em que seu amado bichinho voltará para casa. Embora vá ser difícil, você não deve esconder o fato de que seu bichinho morreu. Ensine seus filhos sobre esta parte natural da vida...


Os idosos enfrentando a perda. Quando os idosos têm de lidar com o luto, podem encontrar bem mais dificuldade. Muitos idosos moram com seus bichinhos de estimação, alguns com a consciência de que jamais poderão ter outro bichinho, responsavelmente. Um sentimento de solidão inescapável pode seguir a perda do bichinho. Juntamente com este sentimento, a inevitabilidade da morte pode começar a pesar bastante sobre os idosos propriamente ditos. É vitalmente importante não se entregar ao desespero; mais uma vez, você não está sozinho. Ninguém, independentemente da idade, pode jamais substituir um bichinho de estimação que se foi. Lembre-se de todos os diversos recursos disponíveis para você - de atendimentos telefônicos a grupos e foruns online. Você pode formar uma rede de amor e apoio na família e entre os amigos; talvez você não possa esperar vir a ter algum outro bichinho de estimação, mas é muito provável que estas pessoas tenham também os seus bichinhos - que precisarão de alguém que cuide deles, de tempos em tempos. Você poderia inclusive ser voluntário em abrigos locais para bichos. No momento em que um capítulo da sua vida se encerra, um novo capítulo se inicia, pleno de novas oportunidades para compartilhar seu amor pela família, amigos, bichinhos e pela vida.
Os seus sentimentos de luto são um resultado direto e natural do amor que você tem pelo seu bichinho que partiu, então não tente desfazer-se de seu luto. À medida que você lida com a perda de seu bichinho de estimação, sinta-se confortado pelo fato de que seu amor foi correspondido pelo amor que seu bichinho sentiu por você. A ligação que vocês construíram juntos não pode ser desfeita pela morte, enquanto você comemorar esta ligação por meio de lembranças ternas...Teresa Carvalho


OS ANIMAIS SOFREM COM A MORTE?

Muitas pessoas acham difícil acreditar que animais criem laços muito fortes um com o outro. Mesmo animais que parecem mal se suportar podem exibir fortes sinais de stress quando separados. Na verdade, animais que perderam um companheiro podem exibir vários sintomas idênticos aos experimentados pelo pelo proprietário enlutado. O animal sobrevivente pode ficar inquieto, ansioso e deprimido. Ele pode suspirar com frequência, e ter a respeito de comer e dormir. É comum que os animais procurem por seus companheiros mortos e exijam mais atenção dos seus donos.

Como o proprietário pode ajudar um animal que sofre? Atenção para as seguintes recomendações:

1. Mantenha a rotina do animal sobrevivente o mais normal possível.

2. Tente não reforçar (mesmo que não intencionalmente) as mudanças de comportamento.

se o animal fica "escolhendo" comida, não fique trocando o "cardápio". Isso só leva a um animal ainda mais difícil.

não exagere na atenção dada ao animal sobrevivente, já que isso pode levar à ansiedade de separação.

3. Permita que os animais sobreviventes trabalhem a nova hierarquia por eles mesmos.

podem haver brigas enquanto isso não fica resolvido (principalmente com cachorros).

4. Não adote um novo animal para fazer companhia para o animal sobrevivente a não ser que o proprietário esteja pronto.

não funciona a não ser que o proprietário esteja emocionalmente pronto para um novo animal.

pessoas que ainda estejam enlutadas não terão a energia necessária.

O proprietário deve permitir que os outros animais vejam e cheirem o companheiro morto?

Não há evidências que afirmem que esse gesto vá ajudar os animais sobreviventes, mas algumas pessoas afirmam que sim. Geralmente tudo o que acontece é que o proprietário se sente melhor. Assim, se o proprietário deseja que os outros animais "digam adeus," então isso deve ser permitido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário