Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Gikovate via twitter... Um livro o twitter do cara...

Sabemos como é difícil mudar cada detalhe do nosso modo de ser. A alegria de cada conquista é imensa: é o que mais faz crescer a auto-estima...

Muitas são as pessoas que lidam mal com suas qualidades: por medo da inveja de parentes e conhecidos escondem suas melhores características.

Esconder as qualidades com o intuito de não provocar a inveja das pessoas pode parecer um ato de generosidade. Mas é mais que tudo covardia.

Além da covardia, tentar esconder as qualidades indica certa fraqueza: as pessoas tendem a agir com oportunismo e abusar dos que agem assim.

Também existem aqueles que "adoram" provocar a inveja das outras pessoas. Não se sentem ameaçadas porque não exibem verdadeiras qualidades.

Os que gostam muito de se exibir e despertar a inveja das pessoas tendem a ser os mais egoístas, sem preocupação com a dor que irão causar.

Os mais egoístas têm de si um juízo bem negativo, de modo que não têm medo da inveja porque, no fundo, não acham que merecem ser objeto dela...

O comportamento adequado talvez seja o de não esconder suas qualidades por medo da inveja e nem se exibir pelo prazer de provocá-la.

É curioso constatar que as pessoas mais autoritárias, que gritam e exigem obediência, são dependentes e não sabem fazer quase nada sozinhas.

Os autoritários vivem como se fossem os senhores e os outros seus escravos: os que obedecem e fazem tudo para eles por medo das represálias.

O que os "senhores" não percebem é que com o passar do tempo vão se tornando cada vez mais dependentes: tornam-se escravos de seus escravos!

Pessoas autoritárias tentam dominar seus escravos pela via da intimidação. Quando a incompetência aparece, choram e tratam de provocar pena.

Como agir diante de uma pessoa autoritária? Depende da situação: no trabalho convém ficar quieto. Na vida íntima, enfrentar ou se afastar.

Os que não sabem dizer NÃO têm medo de desagradar os outros e de serem vistos como egoístas. Sentem-se abusados e não sabem como se defender

Os que não sabem se defender contra os pedidos indevidos e não conseguem dizer NÃO acabam ficando com raiva dos que abusam de sua fraqueza.

Ao constatarmos a existência de uma fraqueza na conduta de uma pessoa, podemos agir de duas maneiras: nos aproveitamos dela ou a respeitamos

As pessoas legais tentam conhecer aqueles com quem andam para não abusarem de seus pontos fracos. As de caráter duvidoso fazem o contrário!

Os tímidos costumam ter grande dificuldade em dizer NÃO. O que fazem? Não se aproximam das pessoas porque não sabem como mandá-las embora.

Tolerância é um termo que costuma ser usado em 2 sentidos: aceitação de atos indevidos contra si; ou aceitação das diferenças entre pessoas.

Não devemos tolerar atos injustos que nos ofendam. Porém, aceitar o modo de ser e de pensar das pessoas é essencial para a boa convivência.

"Pessoas tolerantes e compreensivas com o modo de ser das outras são menos críticas e isso é essencial para a construção de relações íntimas."

Quem quer saber o que se passa com os que lhe são caros tem que evitar a intolerância crítica: a intimidade se faz quando se ouve com doçura

As afinidades de caráter, gostos e interesses facilitam a vida em comum: o casal fica junto por mais tempo porque gostam das mesmas coisas!

A presença de grandes afinidades entre os que se amam cria condições para a elaboração de projetos em comum: e eles reforçam o elo amoroso!

No passado, os casais se uniam para melhor enfrentarem as adversidades da vida prática: a união de forças complementares era muito bem vinda

Hoje em dia os casais se unem para melhor aproveitar a vida, para juntos curtirem os momentos de lazer. Aí as afinidades são fundamentais!

Em todos nós existe uma parte imutável e outra atual e que se adapta a cada novo tempo. Isso vale para tudo e também para as coisas do amor!

Os tempos mudam e o amor continua tão importante quanto antes. Porém, os critérios de escolha do parceiro têm que se adequar ao novo momento...

Nenhum comentário:

Postar um comentário